licença paternidade

Como a licença paternidade estendida ajuda na equidade das empresas

Para que uma empresa se destaque no mercado atual e seja vista como referência na sua área, é preciso investir não apenas em salários, mas também na criação de um ambiente positivo para todos os colaboradores, não é mesmo? Isso passa diretamente pelo trabalho de equidade, mas você sabe como esse aspecto pode ser trabalhado na sua companhia? A licença paternidade estendida é uma possibilidade.

Isso mesmo, aumentar o período que os colaboradores têm para cuidarem dos seus filhos após o nascimento pode ser importante não apenas para a maior satisfação profissional. Esse tempo contribui diretamente para a criação de um mercado de trabalho mais igualitário e justo. Mas como o benefício funciona na prática?

O que acha de esclarecer todas as suas dúvidas sobre o assunto? Continue a leitura para entender como a licença paternidade estendida pode ser benéfica à diversidade na empresa e à produtividade dos seus profissionais. Descubra, também, como ele pode contribuir com a criação de um mercado de trabalho ainda mais justo para todos.

O que é licença paternidade estendida?

A licença paternidade é o direito que todos os trabalhadores têm de ter alguns dias de folga do trabalho após o nascimento de um filho.

Todas as datas dentro desse período precisam ser remuneradas, de modo que a empresa ampare o funcionário na fase de cuidados do bebê. A versão estendida, portanto, aumenta os dias que o colaborador tem direito a se ausentar do ambiente de trabalho.

Como a licença paternidade estendida funciona?

De acordo com a Constituição Federal, a licença paternidade tradicional tem duração de cinco dias, contando a partir do primeiro dia útil após o nascimento do filho. As empresas que são cadastradas no programa Empresa Cidadã, no entanto, oferecem para os seus colaboradores o prazo de 20 dias, com 15 dias extras em relação ao período original.

As empresas, porém, podem entrar em acordo com os seus profissionais para aumentarem a duração da licença paternidade. Cada companhia pode definir o prazo mais adequado para as necessidades do perfil dos colaboradores.

Algumas empresas, por exemplo, anunciaram períodos mais longos do benefício, chegando a seis meses para homens e mulheres, sem discriminação.

Quem tem direito de acessar a licença paternidade estendida?

Todos os profissionais urbanos e rurais com carteira assinada têm direito ao benefício, assim como os servidores públicos. Além disso, muitas empresas fazem acordos com os seus colaboradores mesmo quando o contrato é não celetista. A lei também é válida em situação de adoção ou conquista de guarda judicial.

Por que oferecer esse tipo de licença paternidade aos colaboradores?

Mas, afinal, por que oferecer a licença paternidade estendida dentro da sua companhia? Confira algumas das principais razões pelas quais a prolongação desse benefício é muito importante.

Mais satisfação no ambiente de trabalho

O profissional que tem a segurança de poder aproveitar o nascimento do seu filho sem colocar o trabalho em risco tende a se sentir muito mais satisfeito e valorizado. Esse, sem dúvidas, é um ponto fundamental quando se fala na criação de um clima organizacional positivo para todos.

Maior produtividade no retorno

Quando sabe que recebeu o suporte da empresa e ainda conseguiu ajudar a mãe do seu filho, o colaborador tende a se concentrar ainda mais no trabalho.

Isso significa que ele desempenhará seu papel sem nenhum tipo de preocupação externa sobre o assunto, apresentando ganhos significativos em produtividade.

Facilita a retenção de talentos

Consequentemente, ações como essa impactam também no longo prazo de uma empresa, facilitando a retenção de talentos. Essa parceria é vista como algo muito positivo para os colaboradores, o que pode pesar na hora de continuar ou deixar uma companhia.

Como a licença paternidade estendida apoia a equidade na empresa?

Em um contexto em que temas como diversidade e equidade são tão importantes para a realidade das organizações, a licença paternidade também é uma forma de contribuir com esses dois assuntos. Contudo, por que aumentar a disponibilidade do pai para os cuidados com o filho nos primeiros dias de vida pode ser um avanço importante nessa direção?

A conta é simples: quanto mais tempo o pai está presente em casa para oferecer suporte à mãe, mais rápido ela poderá voltar ao ambiente de trabalho. A divisão do peso das responsabilidades também garante mais segurança e confiança nessa fase da vida. Como muitas mulheres sofrem com o preconceito — muitas vezes, ainda no processo de recrutamento — em relação a uma gravidez ou à possibilidade de engravidar, a licença paternidade contribui para amenizar esse quadro.

Segundo um estudo divulgado pelo escritório de advocacia BMA Law, quase 30% dos homens não usufruem da licença paternidade. Enquanto 19% utilizam só 1 a 3 dias e outros 32% entre 3 e 5 dias. O total de profissionais que ficaram mais de um mês afastados do trabalho após o nascimento do filho não ultrapassou a marca de 1% dentro dessa pesquisa.

Com mais tempo contribuindo dentro de casa após o nascimento da criança, o pai permite que a mãe também possa se dedicar ao trabalho. Afinal, além de já ter que lidar com a desconfiança do mercado pelo período que pode ficar afastada durante a licença maternidade — entre quatro e seis meses —, essa fase pode acabar atrapalhando o desenvolvimento profissional da mulher.

Assuntos como equiparação salarial são fundamentais, mas o equilíbrio das responsabilidades também contribui para o desenvolvimento de um ambiente ainda mais justo e saudável para todos os profissionais, independentemente do gênero. Uma empresa que investe na licença paternidade estendida, por exemplo, pode ter benefícios positivos para a criação de um mercado de trabalho mais igual.

Investir na licença paternidade, portanto, é uma estratégia muito importante para as mais variadas empresas, que podem aproveitar uma série de benefícios na construção de um clima organizacional positivo. Além disso, elas ganham em produtividade, satisfação e retenção dos principais talentos.

Entretanto, a licença paternidade é apenas um dos muitos assuntos que precisam ser debatidos e colocados em prática para a criação de um ambiente mais justo e positivo para todos. Que tal se aprofundar ainda mais no tema? Baixe o nosso e-book completo com um guia para contratação diversa nas empresas!

Guia do RH para a saúde mental no ambiente corporativo

Assine a nossa newsletter e tenha em mãos as novidades mais relevantes sobre RH!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Ops! Captcha inválido, por favor verifique se o captcha está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.