KPIs de diversidade: medindo o sucesso da inclusão na empresa

KPIs de diversidade: medindo o sucesso da inclusão na empresa

Para uma empresa que almeja a diversidade e a inclusão em suas equipes, medir o sucesso das suas ações é fundamental para criar ambientes de trabalho equitativos e produtivos. Sendo assim, é preciso estabelecer métricas e indicadores-chave de desempenho eficazes, como os KPIs de diversidade.

Manter a atenção sobre esses índices permite que o seu negócio trabalhe constantemente em melhorias na sua cultura corporativa, em inovação, na retenção de talentos e até mesmo na reputação da marca. Quer conhecer algumas métricas usadas para avaliar a diversidade nas empresas? Continue a leitura!

Por que medir diversidade e inclusão?

A diversidade e a inclusão são, primeiramente, uma responsabilidade da empresa, um compromisso a ser assumido contra a discriminação e o preconceito. Além disso, é uma importante demonstração de respeito e equidade de oportunidades para todos, promovendo a diversidade funcional, de gênero, etária, de raças e assim por diante.

Mas se engana quem pensa que são só os candidatos de minorias sociais que se beneficiam desse tipo de atitude. A empresa também tem muito a ganhar em termos de enriquecimento cultural, inovação e fortalecimento da sua marca empregadora.

Imagine a seguinte situação hipotética: você tem na sua equipe um grupo de profissionais homens, cisgêneros, quebrando a cabeça para descobrir qual é o melhor modelo de absorventes íntimos a ser desenvolvido pela empresa. Certamente, esses colaboradores encontrariam grandes desafios até solucionar a questão de maneira satisfatória para o público consumidor.

Nesse caso, observamos o quanto a representatividade e a diversidade importam em times de trabalho. Quanto mais diversas forem as equipes, mais enriquecedoras e inovadoras tendem a ser as soluções desenvolvidas pela marca, afinal, cada um contribui a partir da sua própria perspectiva de vida.

Isso pode ser replicado em muitos cenários, sobretudo naqueles que envolvem diretamente as minorias sociais. Um time com um profissional com deficiência visual, por exemplo, certamente estará mais atento às necessidades que esse público tem. Talvez uma equipe que não tenha um integrante com essa particularidade nem sequer pense em uma solução mais abrangente.

Ao mesmo tempo, não se deve limitar o papel dessas minorias a temas relacionados ao seu gênero ou à sua deficiência, como nos exemplos citados. O ideal é que todos entendam que essas pessoas são capazes de realizar trabalhos que os grupos majoritários realizam.

Mas não basta apenas ter um discurso bonito e uma boa intenção quando se trata de diversidade e inclusão. É preciso medir como a sua empresa está lidando com a situação. Como ela está ampliando seus números de inclusão? Qual é o percentual de representações de minorias sociais que compõe seu quadro de colaboradores? Quantos desses profissionais ocupam cargos de liderança? Esses e outros aspectos precisam ser medidos de perto.

Quais são as principais métricas para avaliar a diversidade?

Medir a diversidade e a inclusão em uma empresa não segue uma receita de bolo. É preciso que você descubra quais são os indicadores que melhor funcionam nos seus times. Além disso, é interessante considerar o nível de maturidade que a sua cultura organizacional tem para aprimorar esses índices.

A ideia é conseguir acompanhar os números de uma forma rápida e clara, para que as decisões possam ser tomadas com base em dados reais. Assim, o gestor decide se é hora de estabelecer alguma nova medida de diversidade e inclusão ou de combate ao preconceito, contra colaboradores LGBTQIAP+ ou quaisquer outras minorias.

Em geral, os KPIs de diversidade são considerados com base nas fases que o colaborador passa na empresa. Cada uma delas é medida de uma maneira específica. Veja só!

Recrutamento e seleção

As métricas mais usadas no recrutamento e seleção envolvem:

  • avaliar a porcentagem de inscrições de candidatos parte de grupos minorizados;
  • identificar a porcentagem de entrevistas efetuadas com esses profissionais;
  • registrar o número de contratações efetivas de profissionais pertencentes a grupos minorizados;
  • calcular a taxa média de admissões e aprovações dessas pessoas pela empresa;
  • categorizar a porcentagem de participação de candidatos diversos por cada grupo minorizado.

Retenção

A retenção diz respeito ao tempo que o colaborador permanece na empresa. Nesse caso, é importante acompanhar:

  • o tempo médio de permanência de pessoas diversas na empresa;
  • o tempo médio dos grupos por diversidade em comparação ao total de contratações;
  • as taxas de desligamentos voluntários e involuntários desses grupos;
  • a pesquisa de retenção e intenção do colaborador em permanecer na empresa;
  • a pesquisa de clima sobre o bem-estar do talento junto ao time.

Representatividade

A representatividade é a percepção que os colaboradores têm sobre a participação de representantes de minorias sociais em cargos ou áreas específicas da organização. Para isso, é possível usar como KPIs de diversidade:

  • a porcentagem de pessoas diversas por nível hierárquico;
  • a porcentagem de pessoas diversas por áreas do negócio;
  • a pesquisa de percepção de cada funcionário sobre a sua contribuição para o time.

Progressão

A progressão é uma métrica de desenvolvimento e crescimento na empresa. Ela mede:

  • como as pessoas diversas crescem entre os níveis hierárquicos na empresa;
  • como elas ocupam diferentes áreas do negócio;
  • quais são os vieses inconscientes existentes nas avaliações de desempenho.

Remuneração

No caso da remuneração, os KPIs são ainda mais fáceis de serem medidos, afinal, esta já é uma variável expressa em números. A ideia é corrigir o desvio salarial que eventualmente possa existir entre diferentes pessoas que ocupam o mesmo cargo, com o mesmo nível hierárquico, experiência semelhante e conhecimentos ou atividades com valor muito próximo.

Outro ponto importante é garantir a entrega da equivalência salarial para pessoas que assumem exatamente as mesmas responsabilidades na empresa. Desse modo, você evita disparidades e consegue recompensar as pessoas por desempenho, não por suas características pessoais.

Como medir a inclusão nas equipes?

A inclusão nas empresas é um pouco mais complexa de ser medida. Por se tratar de um fator subjetivo, é necessário ter um olhar atento, imparcial e totalmente ético para avaliar esse quesito. Felizmente, existem instrumentos que ajudam nesse desafio, trazendo os KPIs de inclusão.

Pesquisas de engajamento

As pesquisas de engajamento e satisfação costumam apontar quando o clima organizacional não vai bem. Em alguns casos, isso ajuda na identificação de uma inclusão baixa ou da falta de bem-estar dos profissionais junto ao restante do time.

Com ela, você entende quais são as pessoas que estão mais satisfeitas com a empresa e que características elas têm em comum. Do mesmo modo, caso seja reconhecido um padrão de insatisfação entre os membros de grupos de minorias sociais, há um sinal de alerta.

Para melhorar a acurácia do instrumento, a empresa pode divulgar que está fazendo uma pesquisa diretamente relacionada à inclusão. Assim, as pessoas diversas que preferirem se identificam quanto a características como:

  • gênero;
  • orientação sexual;
  • raça;
  • idade;
  • cultura, etc.

Feedback dos funcionários

Outra fonte de dados valiosa são os feedbacks fornecidos pelos próprios funcionários. É importante ficar atento ao que é exposto em reuniões, conversas informais e até mesmo devolutivas oficiais às lideranças, por exemplo.

Se a empresa conseguir estabelecer um ambiente seguro, as pessoas conseguirão expressar melhor como se sentem, exemplificando situações que fazem com que elas se sintam mais confortáveis ou discriminadas, por exemplo. A partir daí, é fundamental adotar medidas que deixem claro o posicionamento do negócio quanto a esses comportamentos.

Como promover um ambiente em que todos se sintam valorizados?

Promover um ambiente de valorização exige que você revisite sua cultura organizacional, reforce pontos importantes com o time, tenha transparência quanto ao que espera de cada um e mantenha a comunicação objetiva. É preciso falar sobre diversidade e inclusão, priorizar a admissão de minorias sociais, como contratar pessoas trans, e investir energia na melhoria contínua.

Nada que você viu até aqui é uma solução definitiva. Inclusão é algo que deve ser constantemente trabalhado, assim como o combate ao desrespeito e à discriminação.

Ficar de olho nos KPIs de diversidade ajuda a medir o sucesso da sua empresa. A definição de métricas claras impulsiona o progresso em direção a ambientes de trabalho mais inclusivos e diversos.

Confira nosso Guia Completo da Diversidade Corporativa!

Na Catho você acelera. Economize seu tempo e encontre o profissional que você procura.

Fale o que você pensa!

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Desenvolvido por: Bulki e WPTotal