Depressão no trabalho: saiba quais são os impactos e como lidar

Depressão no trabalho: saiba quais são os impactos e como lidar

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 264 milhões de pessoas sofrem com depressão no planeta. Talvez você conheça os impactos do problema apenas por relatos e, talvez, esteja passando por isso no momento. De qualquer forma, saiba que estamos com você, tudo bem?

Dito isso, é importante falarmos sobre a depressão no trabalho. De acordo com o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), mais de 200 mil pessoas foram afastadas de suas funções por questões mentais em 2022, ou seja, um número alarmante.

Sendo assim, que tal falarmos um pouco desse assunto? Continue a leitura e saiba mais sobre a depressão no trabalho, entenda quais são os sintomas, principais causas e como combatê-la. Vamos lá?

O que é depressão?

A depressão é um transtorno mental muito prevalente, que afeta o modo como alguém pensa, sente e age. Sendo assim, é possível dizer que esse é um problema que vai além das flutuações emocionais normais que todas as pessoas experimentam ocasionalmente.

Em geral, é caracterizada por sentimentos persistentes de tristeza, desesperança e desinteresse em atividades que antes eram prazerosas, e pode afetar pessoas de qualquer idade, gênero, classe social e etnia.

Com isso, a depressão pode causar um grande prejuízo na qualidade de vida, pois as pessoas nessa situação podem se sentir desmotivadas, apresentando queda de produtividade e problemas em diversas áreas, como estudos, trabalho e vida pessoal.

Como ela se manifesta no ambiente de trabalho?

A depressão é vista na legislação brasileira como uma doença ocupacional, sendo coberta pela Lei 8.213/91. Afinal, essa condição pode causar um impacto significativo no ambiente de trabalho, afetando o desempenho, o relacionamento com a equipe, a produtividade e até mesmo a saúde física do indivíduo.

Conforme a Organização Mundial da Saúde, 15% dos trabalhadores adultos apresentaram algum tipo de transtorno mental em 2019. Além disso, anualmente, problemas como a depressão e a ansiedade causam prejuízos de US$ 1 trilhão e a perda de 12 bilhões de dias trabalhados.

Vale a pena ressaltar que depressão ocupacional e síndrome de burnout são questões diferentes, ainda que possam estar relacionadas nos quadros emocionais dos colaboradores.

Saiba quais são os sintomas de depressão no trabalho

Já que o assunto é saúde mental no trabalho, nada melhor do que discutirmos sobre os principais sintomas desse problema. Afinal, reconhecer a questão é muito importante para quem trabalha com a gestão de pessoas. Confira a seguir!

Isolamento social

Indivíduos com depressão podem se afastar dos colegas, evitando interações sociais no local de trabalho, o que pode prejudicar a colaboração e o ambiente de equipe.

Conflitos interpessoais

A irritabilidade e a sensibilidade emocional aumentadas associadas à depressão podem levar a conflitos com colegas e supervisores, sendo um dos grandes sinais de que algo está errado.

Baixa autoestima profissional

Pessoas com depressão podem desenvolver uma visão negativa de suas próprias habilidades e conquistas, resultando em sentimentos de inutilidade no trabalho. Muitas vezes isso é silencioso, mas também é possível perceber com uma avaliação minuciosa da atitude dos colaboradores.

Perfeccionismo excessivo

Algumas pessoas com depressão podem tentar compensar seus sentimentos de inadequação por meio de um esforço obsessivo por perfeição no trabalho, levando a níveis elevados de estresse.

Aumento do tempo gasto em tarefas

Tarefas que costumavam ser realizadas rapidamente levam muito mais tempo para serem concluídas devido à falta de energia e concentração, algo que também pode ser percebido por uma liderança acolhedora.

Falta de produtividade

Um dos sinais mais clássicos é a redução na produtividade de funcionários que outrora produziam bem, com tarefas ficando atrasadas ou incompletas. É um sinal de alerta fortíssimo!

Esses são sinais que podem ser notados por toda a equipe. No entanto, cabe ao RH informar os colaboradores sobre sintomas como tristeza, baixa energia, alterações no sono e dificuldades interpessoais para que poderem fazer uma autoavaliação e buscar ajuda.

Entenda os principais impactos da depressão no trabalho

Agora, é hora de você entender como a depressão no trabalho pode impactar a rotina profissional. Confira!

Redução da produtividade

Já falamos sobre isso, mas é importante ressaltar. Pessoas com depressão muitas vezes enfrentam dificuldades para se concentrar, tomar decisões e concluir tarefas. Isso pode resultar em uma diminuição significativa na produtividade no trabalho.

Absenteísmo

A depressão pode levar a faltas frequentes no trabalho devido a sintomas físicos e emocionais. Isso impacta negativamente a equipe e a carga de trabalho, prejudicando o andamento de projetos e do fluxo todo de trabalho.

Atrasos constantes

Indivíduos que lidam com a depressão podem ter dificuldades em se levantar de manhã ou chegar ao trabalho no horário, devido à fadiga e à falta de motivação. Assim, atrasos frequentes se tornam comuns.

Riscos à saúde física

A depressão também está associada a problemas de saúde física, como dores crônicas, distúrbios do sono e problemas gastrointestinais, que podem afetar a presença e o desempenho no trabalho, gerando uma “bola de neve” de problemas a serem tratados.

Diminuição do engajamento

A falta de interesse e prazer nas atividades pode levar à queda considerável no engajamento, mesmo entre colaboradores que eram bem participativos em outros momentos.

Confira 9 ações para o RH lidar com a depressão no trabalho

O departamento de Recursos Humanos (RH) hoje em dia já desempenha um papel crucial ao lidar com questões relacionadas à saúde mental, incluindo a depressão.

Mas, na prática, em casos de depressão no trabalho, o que fazer para lidar e prevenir?

Confira algumas das estratégias que podem ser úteis para esses momentos:

  1. Iniciar programas de conscientização quanto à saúde mental e oferecer treinamento aos colaboradores sobre o reconhecimento de sinais;
  2. Cultivar um ambiente de apoio e empatia, deixando a equipe à vontade;
  3. Implementar políticas de saúde mental;
  4. Considerar opções de trabalho flexíveis ou trabalho remoto;
  5. Encorajar a comunicação aberta entre colaboradores, equipe de RH e liderança;
  6. Acompanhar o progresso e oferecer apoio contínuo;
  7. Estabelecer uma política clara para o retorno ao trabalho após uma licença por motivos de saúde mental;
  8. Manter a confidencialidade das informações;
  9. Incentivar práticas de autocuidado, como pausas regulares, ginástica laboral e outras.

Como podemos ver, a depressão no trabalho é um assunto sério que deve ser tratado como tal. A equipe de Recursos Humanos e as outras áreas das empresas devem trabalhar em conjunto para evitar problemas do tipo e prestar o apoio necessário aos colaboradores afetados.

Para continuar por dentro das novidades e não perder nenhuma postagem do blog da Catho Empresas, assine a nossa newsletter! Juntos, vamos construir um ambiente de trabalho mais justo, igualitário e feliz para todos e todas.

Na Catho você acelera. Economize seu tempo e encontre o profissional que você procura.

Fale o que você pensa!

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Desenvolvido por: Bulki e WPTotal