síndrome de bournout

Síndrome de Burnout: saiba como lidar com esse problema entre a equipe!

Qualquer atividade feita com exagero é prejudicial para a nossa saúde. Seja estudo, lazer, esporte, entre outras. Porém, o trabalho é aquela em que passamos a maior parte do tempo de nossas vidas e o seu excesso provoca um mal denominado síndrome de burnout

Fazendo uma analogia com as lutas de boxe, essa síndrome é capaz de levar qualquer um ao nocaute no meio da luta. Ela toma conta do indivíduo sem que ele perceba, levando-o a acreditar que está passando apenas por um período de estresse.

Sendo assim é fundamental que você conheça essa doença para saber como lidar com casos que possam aparecer em sua equipe. Leia este artigo e fique por dentro de tudo sobre a síndrome de burnout

O que é a síndrome de burnout?

A síndrome de burnout é uma doença classificada na CID-10 (Classificação Internacional de Doenças) da Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma doença do trabalho — ocupacional — e não como uma condição de saúde como já foi considerada por alguns, anteriormente. Recebeu esse nome pelos seus sintomas, pois burnout na língua inglesa pode ser traduzido para o português como esgotamento. 

Atualmente, a cobrança de resultados cada vez mais inatingíveis, o medo do desemprego pelos seus elevados índices, o trabalho em casa (Home office), a competitividade na própria empresa ou do mercado, falta de planejamento e longas jornadas de trabalho, são alguns fatores que vêm provocando a síndrome de burnout em muitas categorias de trabalhadores.

Quais são os sintomas da síndrome de burnout?

Por sua gravidade, essa doença provoca sintomas na saúde mental e física dos trabalhadores, e pode tomar conta praticamente de todo o organismo do paciente. 

Conheça os principais sintomas da síndrome de burnout segundo o Ministério da Saúde:

  • cansaço excessivo, físico e mental;
  • dor de cabeça frequente;
  • alterações no apetite;
  • insônia;
  • dificuldades de concentração;
  • sentimentos de fracasso e insegurança;
  • negatividade constante;
  • sentimentos de derrota e desesperança;
  • sentimentos de incompetência;
  • alterações repentinas de humor;
  • isolamento;
  • fadiga;
  • pressão alta;
  • dores musculares;
  • problemas gastrointestinais;
  • alteração nos batimentos cardíacos.

Esses sintomas, podem ser confundidos com outras doenças e, como normalmente acontecem silenciosamente, vão se agravando gradualmente. Portanto, não menospreze essas manifestações do organismo supondo que passarão rápido, ou que são apenas parte de um mal-estar. 

O aparecimento desses sintomas é mais comum em profissionais das áreas de saúde, segurança e educação, principalmente os professores, e em todos aqueles que trabalham sobre pressão.

Essa doença desenvolvida nos ambientes de trabalho é tão prejudicial para a saúde dos trabalhadores que a presença dos seus sintomas pode desencadear patologias que evoluem e se instalam no organismo, aproveitando do sistema imunológico debilitado e com baixa de anticorpos.

Essa baixa imunidade, conhecida como imunodeficiência, privilegia o surgimento de patologias denominadas autoimunes e das oportunistas como as infecções e demais doenças provocadas por vírus, bactérias e fungos. No campo da psicologia podem surgir as crises de ansiedade, depressão e a síndrome do pânico.

Veja algumas doenças que a síndrome de burnout pode desencadear:

  • gripe;
  • pneumonia;
  • herpes;
  • otites;
  • estomatite;
  • vitiligo;
  • lúpus.

Quais são os impactos da síndrome de burnout?

Os impactos da síndrome de burnout podem ser considerados um mal de caráter privado, gerados principalmente em empresas públicas ou nos órgãos municipais, federais e estaduais, gerando um crescente número de afastamentos que prejudicam setores como o da saúde, da economia, da educação, entre outros.

Conheça os impactos da síndrome de burnout nas empresas:  

  • queda de produtividade;
  • excesso de serviços paralisados;
  • acometimento de erros frequentes;
  • acidentes de trabalho;
  • aumento do absenteísmo.

Como lidar com a síndrome de burnout?

Como a síndrome de burnout é uma doença, deve ser tratada e diagnosticada por médicos. Somente esses profissionais podem providenciar os procedimentos adequados para ajudar o trabalhador a vencer essa patologia.

Dessa maneira, cabe aos gestores de recursos humanos, e demais profissionais dos setores da administração, promover campanhas educativas e criar condições ambientais que possam prevenir o surgimento de casos da síndrome de burnout em empresas. Saiba o que você pode fazer.

Crie ações preventivas de saúde mental

Sabemos que se a nossa cabeça não anda bem, certamente, faltará o equilíbrio emocional para desenvolver nossas tarefas com o sucesso esperado por não conseguirmos focar nas atividades. Por isso, incentive os colaboradores a valorizarem os seus momentos de lazer com a família, indique livros e filmes, e instrua-os para não levarem os problemas do trabalho para casa.

Cuide do ambiente laboral

O ambiente físico — as salas dos escritórios e os locais de produção onde estão instaladas as máquinas e equipamentos — deve ser projetado para oferecer conforto e bem-estar aos trabalhadores. Para isso, precisam ser ventilados, iluminados e terem áreas com dimensões compatíveis com as atividades que serão desenvolvidas em cada um deles.

Deve-se evitar o improviso e dar atenção especial também para a ergonomia, ou seja, adequar os móveis e equipamentos em função dos trabalhadores e, não o contrário.

Facilite a comunicação

Para manter a equipe engajada, mesmo em situações de trabalhos remotos, torne a comunicação acessível e amigável a todos os colaboradores. Permita que os profissionais tenham a liberdade de expressar suas opiniões.

Possibilite que, além das demandas do dia a dia, qualquer profissional tenha a confiança de ser acolhido de maneira respeitável e confidencial em momentos de fragilidade emocional. Portanto, saiba ouvir pois, às vezes, isso bastará para acalentar um indivíduo.

Preocupe-se com o time

Crie o hábito de acompanhar os profissionais mesmo após os processos de recrutamento e admissão. Verifique com os gestores dos diversos times como anda a produção das equipes em seus setores. Demonstre aos colaboradores que se preocupa com eles mesmo após a sua integração na corporação. 

Incite a busca por uma melhor qualidade de vida

Valorize as práticas que melhoram a qualidade de vida dos colaboradores no dia a dia, incentivando a prática de esportes como caminhadas, corridas, partidas de jogos de futebol, de peteca entre outros. 

Crie campanhas para alertar sobre os males que o consumo das bebidas alcoólicas e o tabagismo causam na saúde. Contrate profissionais da área da nutrição para fazerem palestras e fornecerem dicas de alimentação saudável, que evitam e combatem a obesidade e as doenças crônicas.

Portanto, para que você consiga atingir objetivos como a otimização do trabalho dos times, a agilidade nos processos e a qualidade nas entregas das demandas da diretoria, antecipe-se aos males provocados pela síndrome de burnout. Equipes saudáveis são mais motivadas e oferecem melhores níveis de produtividade.

Gostou do assunto? Faça um comentário, gostaríamos de saber a sua experiência. 

Assine a nossa newsletter e tenha em mãos as novidades mais relevantes sobre RH!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.