carreira em y

Como estruturar a carreira em Y nas empresas?

Em muitas empresas ainda encontramos o modelo tradicional de carreira. O profissional inicia em cargos mais baixos e, com a experiência, vai ascendendo. Contudo, o investimento em capacitação e no aperfeiçoamento não é garantia de crescimento profissional. Por conta disso, torna-se recorrente o pedido de demissão e a busca por oportunidades em outras empresas.

Com o passar do tempo e a modernização das empresas, a gestão de carreira em Y chegou para possibilitar a ascensão profissional, fazendo com que os talentos se sintam mais valorizados e, portanto, mais produtivos, o que é positivo para ambos os lados ― profissional e empresa. Acompanhe as próximas linhas, para saber mais sobre a carreira em Y. Boa leitura!

O que é carreira e quais são os tipos?

Carreira vem do latim carraria e significa curso, trajetória. Ela passou a ser associada à trajetória profissional dos colaboradores. Podemos entender como “seguir por etapas uma profissão”. Dependendo do objetivo almejado, os percursos traçados ou percorridos para o crescimento profissional podem ser diferentes. Apresentamos, a seguir, os principais tipos.

Linear

Esse tipo de trajetória era o tradicional e muito adotado antigamente. Era o padrão, sempre linear, ou seja, o caminho é predefinido e o único possível. Nele, os profissionais tinham apenas a opção de serem promovidos aos cargos de gestão, dentro da sua área e atendendo às exigências do cargo.

Carreira em W

Essa carreira permite que os profissionais cresçam na empresa com a possibilidade de troca de cargos de modo vertical ou horizontal, atuando como líder e técnico. Desenvolve a versatilidade, já que dá a possibilidade de trabalho em várias frentes e é indicada para quem busca tornar-se um profissional completo, desenvolvendo um entendimento mais sistêmico na área e no negócio em que atua.

Isso se deve ao fato de que, ao invés de escolher ser gestor de uma área ou especialista em um assunto, o profissional tem a possibilidade de se tornar líder e também manter a sua especialidade.

Essa estratégia se baseia na necessidade de especialistas que compreendam como a empresa funciona no âmbito geral, que sejam multidisciplinares e que possam apropriar-se de funções que abrangem várias áreas.

Carreira em X

Também chamada de carreira exponencial, tem como direcionamento o cumprimento de um propósito, um objetivo, não a atividade. Isso quer dizer que é desempenhado o papel que for preciso para alcançar a finalidade do trabalho. 

É um modelo que requer flexibilidade para se adaptar e versatilidade para desempenhar diferentes funções. 

O que é a carreira em Y?

Ao contrário do que acontecia no passado em larga escala, que é o desenvolvimento profissional em direção ao cargo de gestão, atualmente, não há o mesmo destaque para o conceito de “hierarquia”. Por isso, apareceram novas formas de organizar os cargos e salários, como a carreira em Y.

A trajetória profissional é bem representada pela letra, que mostra dois caminhos distintos, duas grandes alternativas de ascensão profissional. O modelo é uma alternativa para os colaboradores que, apesar de não terem um perfil de destaque para liderança, possuem grandes habilidades técnicas que podem ser valorizadas pela empresa.

Como ela funciona? 

As possibilidades representadas pela parte superior da letra Y referem-se ao cargo administrativo ou gerencial, com o trabalho das habilidades administrativas, e o outro caminho é para um cargo técnico, no qual é possível explorar as habilidades e os conhecimentos da atividade com o benefício de um excelente retorno financeiro.

As organizações valorizam o modelo administrativo e gerencial, como também a parte operacional do serviço. É uma alternativa para valorizar e reconhecer os profissionais que se empenham e se destacam, assim como reter os talentos da empresa.

Quais são as suas vantagens?

A carreira em Y valoriza o profissional que inova e que busca destacar-se na sua atividade. Essa provocação à competitividade no ambiente laboral melhora o desempenho dos colaboradores e traz alguns benefícios para a empresa. Segue, a seguir, algumas características revertidas em vantagem para as empresas e para os talentos. 

Inovação e produtividade

Com a inovação, a empresa passa a ter a possibilidade de grupos especializados e aperfeiçoamento das atividades. Isso favorece o melhor desenvolvimento dos produtos e serviços e, consequentemente, todo o processo de produção ou os resultados. Uma equipe motivada e capacitada contribui para um maior sucesso da empresa.

Equivalência de cargos

Ao possibilitar dois caminhos privilegiando igualmente as duas habilidades, os cargos são equivalentes. A organização elabora programas de promoção aos colaboradores, não condicionando à chegada ao cargo de gestão, como no modelo linear.

Dessa forma, os profissionais trabalham e se motivam a se aperfeiçoarem, fazendo o que gostam e com a possibilidade de alcançar um bom cargo. Os cargos técnicos têm salários e responsabilidades semelhantes aos da gestão. 

Solução de problemas

A solução de problemas, sejam operacionais ou não, dá-se mais facilmente com os colaboradores fidelizados à organização, pois estão mais satisfeitos com a vida profissional. As empresas que adotam o modelo de carreira em Y tendem a ter menos rotatividade de funcionários e, também, maior participação no interesse de resolução de problemas. O RH possui menos dificuldade nos diálogos dessa natureza, se necessário.

Atração e retenção de talentos

Os profissionais que investem na capacitação e no aperfeiçoamento procuram empresas que valorizem o seu trabalho. Portanto, uma empresa preocupada com a gestão de seus talentos tende a atrair e reter os melhores profissionais.

A empresa reduz a rotatividade ― o turnover — e consolida a sua marca como empresa que reconhece a qualidade de seus profissionais. Tudo isso é revertido em bons resultados.

Por que implementá-la na empresa?

O principal ganho é justamente o que a empresa busca ― atingir resultados e produtividade cada vez melhores. O talento que pode atingir um cargo com bom retorno financeiro, trabalhando com o que gosta, melhora a produtividade e compromete-se muito mais para o alcance do sucesso nos negócios.

O modelo tradicional linear, em que o único caminho possível era a promoção para o cargo de gestão, traz o risco de a organização perder um bom funcionário na função que estava sendo desenvolvida e ganhar um líder que não tenha habilidade para a função. 

Na carreira Y, o profissional tem a possibilidade de chegar a um alto cargo, mantendo as habilidades da sua função e que foram reconhecidas por ter se destacado.

Diante disso, observamos que a carreira em Y beneficia ambas as partes ― o profissional e a empresa. O colaborador tem o seu perfil respeitado, se sente valorizado e motivado a aprimorar suas habilidades para que mantenha um resultado de excelência, e a empresa tem o retorno em forma de qualidade e maior produtividade.

Quer continuar bem informado? Assine a nossa newsletter e receba os melhores conteúdos!

Assine a nossa newsletter e tenha em mãos as novidades mais relevantes sobre RH!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.